Bento Rodrigues de Sousa (Barão do Rio Ave)

Bento Rodrigues de Sousa (Barão do Rio Ave)
Bento Rodrigues de Sousa (Barão do Rio Ave)

Bento Rodrigues de Sousa, nascido a 30 de Janeiro de 1853 em Vairão, filho de Manuel Rodrigues de Sousa e Ana Joaquina de Jesus1, foi um empresário que muito jovem emigrou para o Brasil. Com apenas doze anos de idade, em 1865, foi recomendado a um dos seus irmãos mais velhos e negociante já estabelecido na ex-colónia, Boaventura Rodrigues de Sousa2.

Acumulou fortuna por via das suas atividades comerciais, especialmente no município de Santos, estado de São Paulo, onde se destacou na firma Bento de Sousa & Cª3, ao lado dos seus irmãos José Bento e Boaventura. Foi accionista de várias empresas, tais como o Moinho Santista4 e a Companhia Paulista de Estradas de Ferro5.

Armazéns da frima Bento de Sousa & C.a
Armazéns da firma Bento de Sousa & Cª
(Revista da Semana do Jornal do Brasil – Especial sobre Santos – Janeiro de 1902)

Regressou à sua terra natal aos 29 anos, ainda que intermitentemente, para tomar conta dos negócios da família nos terrenos da Quinta de Crasto, ou de São Bento, onde o seu recém-falecido irmão José Bento (faleceu a 2 de Fevereiro de 1882) já tinha erguido o palacete em 1880.

Palacete da Quinta de Crasto ou de São Bento - Vairão - 1910
Palacete da Quinta de Crasto ou de São Bento – Vairão
Illustração Villacondense nº 11 – Novembro de 1910

A sua chegada dinamizou a propriedade de Vairão, tendo ele motivado a construção de vários outros edifícios nos terrenos herdados, que totalizavam mais de 70 hectares.

A 13 de Dezembro de 1892, foi agraciado pelo rei D. Carlos com o título de Barão do Rio Ave6.

Em 1902 cedeu terrenos para a edificação na nova Igreja Paroquial de São Salvador de Árvore, que seria inaugurada em 19047.

Apesar de enriquecer bastante jovem, sempre se assumiu como homem da lavoura, associando-se assim maioritariamente aos ideais da esquerda do espectro político. Foi militante do Partido Progressista durante a Monarquia e, entre outros, do Partido Democrático nos primeiros anos da República. Esta sua afiliação partidária permitiu-lhe influenciar as hostes dos Governos liderados por Afonso Costa e Bernardino Machado quando, em Março de 1914, impediu a iminente anexação de Poça da Barca e Caxinas pela Póvoa de Varzim8.

Após a sua morte, a 20 de Outubro de 1931, à principal artéria de ligação entre o centro de Vila do Conde e a ponte rodoviária sobre o Ave foi dado o nome de “Rua Barão do Rio Ave”. Com a Revolução dos Cravos, a rua foi renomeada “Rua 25 de Abril”.

A liderança do legado familiar foi depositada no seu filho Bento de Sousa Amorim, presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde em dois mandatos, divididos entre as décadas de 30, 40 e 50. Em 1967, este seu filho vende a quinta ao Estado para aí se alojar a Estação Agrária distrital do Porto.

Museu Agrícola Regional (em instalação)
Museu Agrícola Regional (em instalação) – disponível na loja

Nas propriedades dinamizadas pelo Barão do Rio Ave, foram instaladas diversas entidades ao longo das últimas décadas. O destaque vai para o Museu Agrícola de Entre Douro e Minho, inaugurado a 10 de Março de 1989 e que aqui funcionou até Junho de 2007. Recebeu uma menção honrosa atribuída pela Comissão do Prémio do Museu Europeu do Ano, em 19919.


  1. No Arquivo Distrital do Porto, a página do seu registo de baptismo encontra-se no final do livro de registos de casamentos.
  2. Arquivo Municipal de Vila do Conde – Termos de responsabilidade e fiança, livro 3115, folha 7
  3. Testemunho de Inês Amorim, neta do Barão e filha de Bento Amorim
  4. Gustavo Pereira da Silva, Armando João Dalla Costa – A formação do grupo Bunge e a sua instalação no mercado brasileiro (1818-1905)
  5. Relatório nº 76 da Directoria da Companhia Paulista de Estradas de Ferro para a sessão de assembleia gera em 30 de Junho de 1925
  6. Diário do Govêrno n.º 282/1892, Série I de 1892-12-13
  7. Manuel Joaquim da Costa Maia – Subsídios de Monografia de São Salvador de Árvore (1995) p.80
  8. Exemplo de um de vários debates parlamentares sobre este tema – Diário da Câmara dos Deputados – 51ª Sessão Ordinária – 10 de Março de 1914
  9. European Museum Forum – Specially Commended 1977-2019
COMPARTILHAR

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of