Vairão

vila do conde vairao brasao
Brasão de Vairão

Vairão é uma das antigas trinta freguesias do concelho de Vila do Conde. É hoje parte da União de Freguesias de Fornelo e Vairão, por reforma administrativa de 2013.

Sendo uma das freguesias mais antigas do concelho, os paralelismos históricos com a sede são notáveis, desde logo pelo facto de que Vairão e Vila do Conde são as duas únicas freguesias do concelho que desfrutaram da existência quer de um castro, quer de um mosteiro, construções que incontornavelmente acompanharam a evolução histórica de ambas as localidades.

Nem sempre Vairão fez parte do concelho de Vila do Conde. A freguesia foi anexada pela reforma administrativa de 6 de Novembro de 1836, sendo até aí integrante do concelho da Maia.

O centro da localidade de Vairão situa-se nas imediações do Castro do Boi, referido dezenas de vezes nas transcrições efetuadas por Alexandre Herculano nas Diplomata et Chartae, parte da sua obra Portugaliae Monumenta Historica. A sua relevância documental prende-se com o facto de ser um destacado ponto de referência geográfico a sul do rio Ave.

Vairão - Castro do Boi
Vairão – vista do topo do Monte de Santo Ovídio (Castro do Boi)

A mais antiga referência conhecida data do início do século X, mais precisamente do ano 907 (945 da Era de César), sendo também um dos mais antigos documentos transcritos por Herculano nas Diplomata et Chartae.

Outro documento faz, mais próximo ao final do século, a alusão à existência de um castelo no castro, o que prova que seria uma estrutura aprimorada com propósito militar.

Carta de Doação da Villa Valeriani – Arquivo Nacional da Torre do Tombo

Este documento, o mais antigo que faz referência a Vairão com um topónimo antroponímico semelhante ao que chegou aos dias de hoje, data de 12 de Maio de 974. O presbítero Romário e a sua irmã Emilo doam a Villa Valeriani (uilla que dicent ualleriani), entre Macieira e Fornelo (inter uilla mazanaria et fornellu) a Domitria e ao seu mosteiro dúplice, de frades e freiras. Nesta escritura são ainda cedidas duas igrejas, uma com devoção a Santa Maria, São Miguel e São Martinho, outra com devoção a São Miguel e São Mamede.

O documento acima referido é de extrema importância para subsidiar uma compilação da História de Vairão, pois também aqui se encontra a mais antiga alusão à existência de uma comunidade religiosa neste local.

Indica-se na escritura do ano 974 que já nesta época o orago do Mosteiro seria São Salvador, para além de Santa Maria Virgem e São Miguel Arcanjo. São Salvador é ainda o padroeiro da freguesia, tendo a Igreja paroquial como orago São Bento.

Mosteiro de Vairão
Mosteiro de São Salvador de Vairão e Igreja de São Bento – vista aérea

A data da fundação do Mosteiro de São Salvador de Vairão como instituição, assim como a da construção do seu edifício primitivo são incertas, mas obviamente sempre anteriores ao ano de 974.

Vairão possui uma das mais investigadas epígrafes do país. A inscrição lapidar pode ser encontrada na Igreja de São Bento e refere-se a uma reedificação do templo, patrocinada por Pala Froilaz, durante o governo do rei de Leão Bermudo III, no século XI (ano 1035).

Inscrição lapidar - Igreja de São Bento - Vairão
Inscrição lapidar – Igreja de São Bento – Vairão (in Armando de Mattos – Dois Estudos (1943))

Em 1141, D. Afonso Henriques concedeu ao Mosteiro a carta de couto, atribuindo poderes jurisdicionais quase ilimitados ao Mosteiro dentro do espaço geográfico concernente.

Também por esta altura, no século XII ou o mais tardar no século XIII, terá sido adotada a observância beneditina, tendo até aí perdurado a regula mixta, um regime de observância eclética.

No cartório do Mosteiro de Vairão, hoje na Torre do Tombo, encontrava-se um importante documento redigido a mando de Lourenço Fernandes da Cunha: a “Notícia de Torto. O valor do manuscrito deve-se ao facto de poder ser considerado o mais antigo registo escrito em língua portuguesa, ou, mais precisamente, em galaico-português.

Notícia de Torto
Notícia de Torto – Arquivo Nacional da Torre do Tombo

O rei D. Manuel I, em 1517, iniciou uma reforma que agruparia diversas comunidades religiosas em ambiente urbano, retirando-as assim do seu mosteiro de origem. Uma das irmandades seria a de Vairão. Fazendo uso da sua larga rede de influências, a comunidade de Vairão conseguiu escapar à fusão pretendida por D. Manuel, tendo o rei permitido a sua continuidade, sendo inclusivamente escolhidas no final do século para a fundação de dois novos mosteiros no interior do país.

Na segunda invasão napoleónica, em 1809, milícias armadas impediram durante dois dias a passagem das tropas francesas pela Ponte D. Zameiro, durante a qual o Coronel Lallemand e a sua cavalaria montaram um acampamento improvisado em Vairão para pernoitar até que chegassem novos reforços.

Durante a Guerra Civil Portuguesa, as freiras de Corpus Christi de Gaia tiveram ordem de abandonar o seu convento e deslocarem-se para o Mosteiro de Vairão. Apesar da falta de vontade inicial, ambas as comunidades coabitaram pacificamente até ao fim dos tumultos.

Com o final da Guerra Civil, saindo vitoriosa a facção liberal, foi determinada a extinção das ordens religiosas por decreto publicado a 30 de Maio de 1834. As ordens masculinas seriam extintas imediatamente, enquanto as femininas, como no caso de Vairão, seriam proibidas de admitir noviças, extinguindo-se à morte da última religiosa. Assim sendo, a comunidade religiosa de beneditinas do Mosteiro de Vairão terminou oficialmente a 9 de Dezembro de 1891, pela morte da sua última monja, e abadessa, Ana Clementina do Sagrado Coração de Jesus.

Logo após a extinção, o poeta António Feliciano de Castilho casou-se com uma antiga monja beneditina, Maria Isabel de Baena Coimbra Portugal, após um romance platónico de vários anos. O casamento pouco tempo duraria, visto que Maria Isabel viria a falecer a 1 de Fevereiro de 1837. A relação viria a ser retratada pormenorizadamente por Feliciano de Castilho numa das suas últimas obras, “A Chave do Enigma”, publicada em 1861.

Após a extinção da comunidade religiosa, o recinto do Mosteiro foi utilizado como colégio e escola, até 1986.

No exterior, podemos ver a Capela dos Passos, ligada à Igreja por um arco de alvenaria. A construção data de 1720.

Além do complexo do Mosteiro, Vairão possui vários outros edifícios de âmbito religioso, como a Capela de Santo Ovídio, a Capela de Nossa Senhora da Lapa, a Capela do Calvário, a Capela de Nossa Senhora da Expectação, a Capela de Santo António e a Igreja de Nossa Senhora da Glória.

Vairão situa-se no percurso do caminho central português de peregrinação a Santiago de Compostela, o segundo mais utilizado por peregrinos, logo a seguir ao caminho francês.

O caminho seria nesta freguesia coincidente com a atual estrada EN306, vindo de Gião até ao cruzamento de Vilarinho (Macieira da Maia), aproveitando no período medieval os percursos da Karraria Antiqua e da Via Veteris para a ligação à Ponte D. Zameiro.

Com o ressurgimento da popularidade dos caminhos de Santiago no final do século XX, formou-se a oportunidade da criação de um albergue para peregrinos. Assim sendo, a 25 de Julho de 2013 foi inaugurado o Albergue de Peregrinos do Mosteiro de Vairão, utilizando uma parte do edifício com história milenar.

 

Personalidades ilustres de Vairão:

Bento Rodrigues de Sousa – primeiro e único Barão do Rio Ave.

Boaventura Rodrigues de Sousa – irmão do Barão, foi nomeado conselheiro a agraciado com a Grã-cruz da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa. Patrocinou a reedificação da Capela de Santo Ovídio por vontade indicada no seu testamento.

Augusto Romano Sanches de Baena – ilustre genealogista, médico de profissão, fidalgo, cavaleiro, comendador e visconde de Sanches de Baena.

 

Ligações:

Castro do Boi
Villa Valeriani
Igreja de São Bento
Mosteiro de São Salvador de Vairão
Inscrição lapidar de Vairão
Carta de Couto de Vairão
Notícia de Torto
A reforma de D. Manuel I
Segunda Invasão Napoleónica
As freiras de Corpus Christi e Vairão
Casamento de Feliciano de Castilho
As escolas do Mosteiro
Capela de Santo Ovídio
Capela de Nossa Senhora da Lapa
Capela do Calvário
Capela de Nossa Senhora da Expectação
Capela de Santo António
Igreja de Nossa Senhora da Glória
Bento Rodrigues de Sousa (Barão do Rio Ave)
Boaventura Rodrigues de Sousa

COMPARTILHAR

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of